cumade fulozinha 1

Cumade Fulozinha , Menina Encantada das Matas

Cumade Fulozinha, Suas Raízes e Curiosidades

Vista como a protetora das árvores e da caça, a Comadre Fulozinha guarda semelhanças com Diana (Ártemis), o Trasno Português , e mesmo com Anhangá e os Erês. Leia um conto sobre ela aqui.

      Cumade fulozinha     cumade Fulozinha   cumade fulozinha,   Cumade Fulozinha    Cumade fulozinha   cumade Fulozinha   cumade fulozinha   Cumade Fulozinha  Cumade fulozinha  cumade Fulozinha .    Cumade fulozinha  cumade Fulozinha  cumade fulozinha,  Cumade Fulozinha   Cumade fulozinha  cumade Fulozinha  cumade fulozinha,  Cumade Fulozinha  Cumade fulozinha  cumade Fulozinha .

   Venha, se aproxime. Sente perto de mim. Não tenha medo, criança. Sou feito de noite e tempo, vi você nascer. Também vi os seus pais, avós e os pais deles, por sua vez. Desde eras imemoriais, conto histórias para acalmar o coração dos homens, e hoje mais esta história será contada para você.
Vê aquela mata cerrada? Pois bem, nela mora o mistério. O mais intrigante deles. Escuta.
    Ouvi falar de meus ancestrais que, em Grécia e Roma, a Deusa Diana, ou Ártemis, velava pelos animais e pela noite. Era virginal e pura, e tinha toda uma corte de ninfas e ondinas para bem servi-la. Você sabe que estas histórias nossas sempre voltam a um passado, e delas bebem o conhecimento. Transformam este saber em outras e outras coisas, não é verdade?
    Mesmo que desconhecidas daqueles que as passam de boca a boca, estão gravadas no inconsciente coletivo. No grande cósmico que envolve toda a humanidade e sua evolução. São parte deste imaginário também o TRASNO português, que vaga na noite, trança a crina dos cavalos e gosta de receber oferendas de mingau , ou mesmo o Anhangá, protetor dos animais na mata. Estão inclusos os Erês da mitologia Africana, crianças que representam a pureza e a beleza da inocência. Compreende? como são crianças, adoram doces e oferendas.

     Deuses, mitos e lendas ligados à virgindade, pureza, inocência, vingança e proteção, assim como a pequena de quem falarei hoje. Mas primeiro, vamos tomar um gole de algo para a jornada. Pois você irá precisar.

Enter Cumade fulozinha.

   Então, eu falava a você. Começaram os antigos a prosear sobre ela. A menina. Uma indiazinha, ou cabocla, seus doze anos e cabelos longos, negros que voavam com a noite atrás, quando ela corria com o vento. Era amiga de todos os animais, domésticos ou selvagens, e trazia preso ao braço um cipó nfeito de urtigas que zunia por sobre a cabeça ao avistar caçador. Nos lábios, um assovio anunciando sua chegada. Ficou conhecida na Paraíba como "Flor do Mato", mas aqui em Pernambuco, principalmente para estes lados da zona da Mata, foi chamada de Mãe da Mata, Comadre Florzinha, ou Cumade Fulozinha. Não está o bastante assustado, ainda? Tantos a avistaram, tantas histórias, e um mesmo fim.
    É uma visão cândida, e ao mesmo tempo assustadora: Uma criança com olhos tal poços negros, os cabelos também noturnos. Ai de você se é um caçador, e pensa em caçar . Meu caro, ela vai fazer com que dê voltas na mata , e o enlouquecerá lentamente com os assovios altos. Se for encontrado, estará completamente insano. Cumade Fulozinha leva embora, perde sua mente entre as árvores, para que nunca mais faça mal à um animal seu.
    Não só de horror e mortes sua lenda persiste. A menina gosta de trançar as crinas dos cavalos, brincar com animais e aprecia oferendas. Mingau, comidas de milho,papa de mandioca, mel, fumo de rolo e doces, que lhe podem ser ofertados sob as árvores. Mas - Um conselho deste seu camarada : Jamais dê à ela comida apimentada, se não quiser sofrer todo tipo de castigo. Pois ela irá estalar seu chicote de urtiga, o mesmo que usa nas crianças que ousam maltratar a natureza, e será com força. No seu lombo. Então desaparecerá, para de novo surgir do nada e açoitar  todo aquele que desafiar sua fúria.

Ouviu isto?

    Vejo que o amigo está pálido. Não quer mesmo mais uma dose? Ah, sim, lembrei. O senhor está aqui para caçar preá, não é mesmo?
    Vou embora. está na minha hora. Até as alucinações, assim como eu, geradas por seu medo de estar completamente só na mata , temos nosso tempo. Tempo de vir, e tempo de ir. Digamos... que nunca estive aqui, amigo. Fica mais fácil para você processar, na sua mente. Que tal?
    Agora, seja um caçador corajoso e entre na floresta. Bem por aquele caminho tortuoso. Ele o levará ao seu momento, para quê adiar algo assim. Não demorará muito, percebe? já se pode ouvir, ao longe, o assovio dela. E rapidamente, está mais e mais perto.

Cumade Fulozinha 2

 

   Gostou deste texto? Compartilhe nos seus perfis sociais e ajude nosso site a crescer cada vez mais. Somos a nova referência de qualidade em histórias de terror no Recife. Leia nossas HQs AQUI e curta também nossa página no FACEBOOK SOMBRAS DO RECIFE. Até logo, nos veremos de novo na escuridão de seus medos.

Posted in Assombrações, Assombrações do Recife, Conto, Crianças Assombrosas, Crônica, Curiosidades, Literatura, Mulheres Assombrosas, terror.