arte, Alba Cirne

ARTISTA- Manual Para Iniciantes

Arte: Como o Artista é Formado.

O artista nasce artista, ou é orientado para isto? O que move o artista na direção da arte? No meu caso, nem meu pai nem minha mãe eram artistas. Meu pai era formado em agronomia, mas não exercia a profissão. Tendo se especializado em vendas de máquinas, ele tinha uma certa habilidade para desenho, mas não explorou. Minha mãe era dona de casa (tinha um grau em contabilidade e estudou direito,deixou para cuidar da casa. Era uma excelente artesã, cozinhava, bordava, fazia flores com fitas. Ambos acreditavam que a arte era algo para ser encarado como um hobby, não uma profissão.

Eu era filha de pais mais velhos, e tive uma educação diferenciada,meio que anacrônica.Desde pequena assistia a filmes clássicos, ouvia as músicas das big bands dos anos 40, entre outas coisas. Foi meio que ser criada por avós. Nasci tardiamente. Infelizmente, isso também limitou minha convivência com meus tios e mesmo meus pais, e foi um dos motivos para eu querer ter filhos relativamente cedo na vida.

Mas quem foi o/a artista que deu o click dentro de mim, que me despertou para as artes? Bem, foi a minha madrinha de batismo, irmã de meu pai, minha tia Alba da Costa Cirne. Minha madrinha foi uma das pessoas mais importantes na minha vida, e era uma grande artista. Em sua juventude ela estudou na Escola de Belas Artes de Recife, que foi fundada em 1932 e teve entre os alunos nomes de peso, como Vicente do Rego Monteiro, Mário Nunes, Murilo La Greca, Fédora do Rego Monteiro e Samico. Em uma próxima postagem falarei mais sobre isto.

 

Algumas reminiscências sobre arte.

Minha madrinha desenhava extremamente bem, e desde pequena eu gostava das bonequinhas de papel que ela fazia para mim. Lembro que na sala dela tinha um desenho bem antigo de Claudette Colbert, atriz americana dos anos 30, e que ela fez nos seus anos de estudo na Escola de Belas Artes. Este retrato eu admirava muito, sonhava em fazer algo assim, tão perfeito. As bonequinhas de papel, eu costumava torturar (as coitadas), até “””matar”””, enforcadas (com barbante de pão) ou decapitadas (nunca falei que era uma menininha normal). Mas o mais importante era meu desejo de desenhar minhas próprias vítimas, quer dizer, bonequinhas, e comecei copiando estas bonecas que minha madrinha e tia criava. Foram meus primeiros desenhos,eu  devia ter uns 3 anos. Praticamente comecei no figurativo, sem passar pelos garranchos direito.

Claro que meus pais ficaram orgulhosos, uma filha superdotada na arte é algo muito legal. Na escola eu sempre me destacava por esta característica. Meus pais incentivaram bastante na infância esta minha inclinação para as artes. Todo natal eu recebia de presente livros (muitos, coleções completas), conjuntos de lápis de cor de 48 cores da faber-castell, hidrocores e blocos de desenho. Era material para o ano todo, e claro que eu ficava super feliz. Desenhava muito.

 

Conclusão.

Um artista não precisa necessariamente nascer em uma família de artistas. Não é algo geneticamente passado, ou uma habilidade mágica. O artista se descobre, se cria e se reinventa. Sua aptidão pode ser adquirida com esforço pessoal, estudo e dedicação. É importante que ele, no entanto, siga esta chama que traz dentro de seu coração.

O cérebro humano se divide em dois lobos (ou metades), o lado direito e o lado esquerdo. Basicamente, o lado esquerdo se ocupa da lógica, da matemática, e o lado direito tem influência no intuitivo, no insight e no psicológico. Nascemos todos com as duas metades(claro), mas às vezes com desenvolvimento maior em um ou outro. O artista possivelmente nasce com o lado direito mais desenvolvido, mas este desenvolvimento pode ser alcançado  com treino. A arte é uma habilidade adquirível.  Se a pessoa tem uma certa dificuldade em executar a sua expressão artística, ela pode treinar , estudando e praticando.

A minha madrinha apenas despertou algo latente, que a partir daquele dia tomou o rumo de minha vida. A arte pode nos levar a caminhos muito inesperados, assim como as histórias em quadrinhos, por exemplo. Hoje sou grata a este contato inicial que tive nas artes através de minha querida madrinha. Ela foi a grande artista que me inspirou, que precedeu todos os grandes mestres em minha vida, Alba Cirne.

Para saber um pouco mais sobre a Escola de Belas artes de Pernambuco, clique AQUI.

Posted in Crônica, Curiosidades.