A Liamba do Caboclo

A Liamba do Caboclo – Um incrível conto Afro, no melhor do terror recifense

Esta é uma história real. Aconteceu nos anos 50, no Bairro do Coque, no Recife. Conheça a assombrosa história da Liamba.

A Liamba de caboclo é uma plata da família da Canabis , algumas vezes fumada para uso alucinógeno, e associada à Umbanda, Macerada com água fria, pode ser usada em banhos para atrair o sexo oposto, ou para fazer um mix de ervas de fumo, de nome "JUREMA", relacionada ao catimbó. Veja aqui este conto , relato real e incrível !

   A Liamba do caboclo, a liamba do caboclo, a liamba do caboclo. A Liamba do caboclo, a liamba do caboclo. 

   Como contado por Zenir Cardoso...
   Hyllo e Zenir eram recém-casados, e foram morar em uma casinha próximos ao atual bairro do Coque.  A casa era daquelas de porta e janela, com um jardinzinho na frente. A  janela enorme dava direto para ele e para uma frondosa planta , com folhas luxuriantes, as quais a moça cortava de quando em quando. Estas folhas, ela naturalmente  jogava fora.
   Certo dia, o cunhado lhe pediu que guardasse um anel de formatura. Ela o pegou, e colocou em sua caixa de jóias. Algum tempo depois, lhe pedindo ele o anel de volta, ela procurou e procurou, não o encontrando. Entrou em desespero: onde estaria o anel de ouro? Tinha a certeza de tê-lo guardado ali, junto com suas outras jóias, e ele sumira! Como iria falar isto para o irmão do marido?
   Após passar uns dois dias de preocupação, no meio da tarde do segundo dia, ela sentiu um súbito cansaço. Um cansaço anormal. Naqueles tempos, as janelas não precisavam de grades, pois o mundo era um pouco menos perigoso, um pouco menos violento.
   Zenir abriu as duas folhas da janela e se deitou, ao som do vento da tarde, passando pelas folhas. A planta fluía com o vento lá fora. O sono, chegava mansamente. De repente, naquele momento entre sono e realidade, quando o mundo espiritual e o natural se mesclam, ela viu um homem na janela.
   Era negro, de torso nu e compleição extraordinária. Ele olhava para ela, mas não se mexia, nem demonstrava que iria fazer mal. O homem limitou-se a levantar o braço e apontar um dedo, para dentro do quarto, em direção à mesinha ao lado da cama. O criado-mudo.

 

 

A Liamba do Caboclo.

 Desfeito o choque inicial, Zenir saiu do transe quase hipnótico daquela letargia. O homem desaparecera como que por encanto. Imediatamente, sentou-se à cama e abriu a gaveta da mesinha. Dentro dela, uma caixa de fósforos. E dentro da caixa, estava o anel do cunhado.

   Apenas ela e Hyllo, o marido, moravam ali. Não possuíam empregadas. Nem usavam aquela marca de fósforos. Quem o fizera? Quem colocara o anel ali? Devolveram a jóia, e ficou por isto mesmo.

   Alguns dias depois, uma senhora bateu à porta de Zenir, que prontamente a atendeu. A mulher pedia algumas folhas da planta que ficava à frente  da casa.  Zenir permitiu que ela pegasse quantas quisesse, e já ia voltando aos afazeres da casa, quando ouviu a mulher falando algo. Curiosa, se virou: A idosa pedia permissão à planta para tirar as folhas.

Zenir veio para perto dela:

- Por que a senhora está pedindo à planta permissão?

A mulher respondeu: -Minha filha, esta é Liamba de Caboclo, uma planta santa. É do orixá. Tem de pedir permissão para cortar, senão desagrada ele.

Zenir replicou: - Mas eu sempre estou podando esta planta...- Ao que a mulher se benzeu e se afastou, rapidamente, sem sequer olhar para trás.

Então Zenir entendeu. A estranha aparição, que viera naquela tarde, era uma manifestação espiritual. Por desconhecer o respeito que devia ao orixá, ela não fora punida. O Caboclo da Liamba a protegia, e lhe devolvera o anel.

   Daquele dia em diante, ela não mais cortava levianamente as folhas da Liamba, e sempre pedia licença e agradecia à planta e ao protetor da casa.

Gostou de nosso artigo? Comente, curta e compartilhe, conheça nosa fanpage no facebook!

https://www.facebook.com/sombrasdorecife/

Leia as nossas HQS !

 

 

 

Posted in Assombrações, Assombrações do Recife, Bairros do Recife, Conto, Crônica, Curiosidades, Histórias Verdadeiras, Literatura, terror.